o riachense

Sexta,
01 de Julho de 2022
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Supertaça foi para Alcanena

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Atlético infeliz nos penáltis

Na abertura da nova época oficial, Atlético e Alcanenense defrontaram-se no Estádio Alves Vieira, na noite de quarta-feira, 2 de Setembro, para decidir a conquista da Supertaça.

E depois de um empate a zero no final da partida, a equipa de Alcanena levou a melhor, vencendo por 3-5 na lotaria das grandes penalidades. O Atlético apresentou-se desfalcado, fruto das lesões de Saul, Miguel Luz, Milu e Moita. De destacar a estreia de Marco Gomes, um jogador que pertencia ao futsal riachense, formado no Desportivo de Torres Novas e com passagem pelo Assentis, que acabou por convencer Frederico Rasteiro a fica no plantel. Este jogo foi tipicamente de princípio de época, com as duas equipas ainda longe do seu máximo potencial, logo não foi uma grande partida.

Começou melhor o Atlético, por Murcela, que logo a abrir teve um remate perigoso, mas após este lance o Alcanenense melhorou. Aos 11’, o ex-riachense Milá teve uma perdida incrível à boca da baliza, cabeceando por cima.

Em cima do intervalo, Tiago Vieira num livre directo proporciona a Rui Galrinho a defesa da noite. Ao intervalo, o nulo era lisonjeiro para o Atlético, dadas as oportunidades criadas.

Na segunda metade do jogo, o Alcanenense entrou mais forte e Rui Zibaia, em lance individual, atirou uma bola à trave da baliza de Rui Galrinho. Aos 70’, o técnico riachense, com o nulo a prevalecer, tirou o avançado Leandro, entrando o trinco Nuno Paulo, talvez para dar mais força ao meio campo.

Aos 80’, registou-se o lance mais perigoso do ataque alvi-negro, com Bruno Lemos, na execução de um livre directo, a acertar na barra. No seguimento da jogada, Pedro Galrinho podia ter feito o golo, mas cabeceou contra o corpo de Nuno Paulo.

Na marcação das grandes penalidades, as três primeiras foram bem marcadas por Bruno Lemos, Marco Neves e Luís Carlos. Depois, Nuno Paulo atirou muito por cima, permitindo ao Alcanenense fazer a festa. Enfim, um fraco jogo de futebol em que o Alcanenense foi um justo vencedor. Quanto ao Atlético, talvez Frederico Rasteiro pudesse ter feito algo mais para vencer o desafio, deixando uma substituição por fazer, mas são opções técnicas.

Arbitragem algo tendenciosa, mas sem influência no resultado.

Carlos Pereira

Actualizado em ( Quarta, 09 Setembro 2009 03:06 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária