o riachense

Tera,
05 de Julho de 2022
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Atlético continua sem solução directiva

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
A continuação neste domingo da assembleia-geral do Atlético Riachense, interrompida quinze dias antes, não trouxe novidades para o clube no que diz respeito à constituição de um elenco directivo.
José Júlio Ferreira, membro da actual comissão administrativa, deu conta aos cerca de três dezenas de associados presentes dos resultados negativos dos contactos que fez junto de diversos associados, no sentido de se formar uma direcção para o clube.
Assim, vai ser convocada nova assembleia-geral eleitoral para o próximo dia 29, a partir das 19 horas, logo a seguir ao último jogo do campeonato frente ao Soure.

2.ª Distrital pode ser o caminho?

A actual comissão administrativa garante a gestão do clube até ao final da época e se não aparecer nova direcção, entrará em gestão corrente, alheando-se de praticar actos que tragam encargos futuros, como seria o caso da inscrição da equipa na 3.ª divisão Nacional, e mesmo nas outras modalidades, comprometendo dessa forma a continuidade do clube.
A desistência da 3.ª divisão e a descida voluntária para a 2ª Distrital, onde os custos seriam bem menores, poderá ser o caminho, caso não se consiga arranjar uma solução directiva para o clube.
José Júlio Ferreira aproveitou a sessão para apresentar de forma tão exaustiva quanto possível, o estado das finanças do Atlético, sendo, na sua opinião uma situação razoável e que não põe em causa a estabilidade do clube.
O problema maior, diz o responsável do Atlético, prende-se com a participação na 3.ª divisão Nacional na próxima temporada, pois na estimativa que apresentou, torna-se necessário garantir receitas extraordinárias de cerca de quarenta mil euros para equilibrar as contas.
Nas contas que apresentou, José Júlio diz que o futebol sénior custou na presente época cerca de 70 mil euros e que as receitas normais, que incluem bilheteiras e quotas, se ficaram pelos 38 mil euros.

Falta apoio do município

A falta de apoio do município, que desde há duas épocas não atribui subsídios, tem penalizado os cofres do clube, na medida em que os encargos com as modalidades e o futebol de formação, têm sido suportados na íntegra pelo clube, através das secções respectivas.
Os custos directos com o plantel sénior ficaram este ano pelos 29 mil euros, sendo os restantes 40 mil gastos em tudo o resto à volta da equipa e da organização dos jogos (taxas, policiamentos, deslocações, multas, equipamentos, etc.).
Diz José Júlio que, sem o aumento das receitas extraordinárias de forma significativa, não é possível manter o clube na 3.ª divisão, tanto mais que se prevê maiores dificuldades económicas nos tempos que aí vêm, levando, eventualmente, à redução de alguns dos apoios financeiros que o clube tem actualmente.

Passivo de  21 mil euros


Foram reveladas também que as dívidas actuais acumuladas do Atlético somam cerca de 21 mil euros e que faltam ainda receber de subsídios municipais cerca de 13 mil, pelo que a situação não é dramática neste aspecto, por enquanto.
 
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária