o riachense

Tera,
05 de Julho de 2022
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

“Demolição da Maria Lamas iria expor demasiado a vergonha da incompetência”

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
BE exige responsabilidades

O BE vai exigir um esclarecimento “total e cabal” sobre a escola Maria Lamas. “Avançar para a solução do LNEC, que apontava a demolição do novo edifício, iria colocar muita coisa em jogo. Iria expor demasiado a vergonha da incompetência e sobretudo iniciar uma cadeia, ou seja, se calhar existem outros edifícios nas mesmas condições e é melhor camuflar a situação”, adiantou Lia Ribeiro em conferência de imprensa realizada no dia 28 de Fevereiro.

Nuno Matos

O Ministério da Educação (ME) admitiu em Julho do ano passado que a sua decisão para a intervenção na escola Maria Lamas estava dependente das conclusões de um estudo que se encontrava em curso, da responsabilidade do LNEC, relativo à avaliação estrutural de edifício.
Em 13 de Dezembro de 2010, em resposta ao BE, o Ministério da Educação cita várias conclusões do estudo do LNEC que apontam para o facto de “o corpo D da Escola […], apesar de ser de construção muito mais recente que os outros edifícios […] uma vez que foi construído apenas em 2002, apresentam um conjunto diversificado e significativo de anomalias construtivas e funcionais”. Dizia ainda que o edifício apresenta insuficiências graves em termos de capacidade resistente das lajes de pavimento, dos pilares e das fundações, sobretudo sob a acção sísmica.
Foram ponderados vários aspectos da construção, assim como foi feita uma avaliação dos custos para o caso da demolição e para o caso da intervenção. Segundo o Ministério, os custos serão equivalentes.
Quando a conclusão do estudo apontava como melhor solução a demolição do actual edifício e a construção de um novo, eis que o ME, através da Parque Escolar, cuja decisão ficou alegadamente suspensa desta avaliação, optou pela manutenção e requalificação do edifício, abandonando a anterior opção de demolição integral. Diz o BE que, de acordo com o relatório do LNEC, o edifício a ser intervencionado, nunca poderá respeitar por completo as normas e a lei de segurança, principalmente no que respeita a incêndios. “Esta intervenção não irá resolver na totalidade os problemas do edifício”, afirmou Lia Ribeiro, dizendo ainda que se optou pela solução que não sendo a mais barata, “irá continuar a mergulhar o edifício na mais inquietante das dúvidas e na ilegalidade”.
O BE lamenta ainda que o ME não tenha justificado a sua posição: “Desconhecemos qualquer justificação financeira, técnica ou de segurança. Não há nenhuma justificação para se ter tomado esta decisão que foi apenas uma decisão política, que acoberta o vexame, de se ter que demolir um edifício público, com apenas nove anos, que foi pago como os nossos impostos”.
Além de não existir uma justificação, o BE mostrou-se indignado por não se apurarem os culpados: “Não se percebe porque é que um edifício construído há nove anos tem que ir abaixo, sem existir uma averiguação para apurar responsabilidades. Se qualquer pessoa fizesse uma construção, pagava ao construtor e se ao final de nove anos uma inspecção detectasse problemas estruturais gravíssimos, tinha de pedir contas a quem construiu. Porque é que o Estado não o faz? Será que a responsabilidade vai, mais uma vez, morrer solteira? Alguém tem que ser responsabilizado e não aceito que tenhamos que pagar aquela escola duas vezes e que quem errou saia impune”, vincou Lia Ribeiro.
“Não podem existir dúvidas e vamos voltar a questionar o ME”, acrescentou António Gomes, estranhando que a Câmara não pretenda ver o assunto esclarecido e que não defenda a opção melhor fundamentada tecnicamente. “O presidente da Câmara também devia dar algumas respostas”, concluiu.

Mesa da Assembleia recusou debater o assunto


O BE propôs a inclusão de um ponto na ordem do dia da Assembleia Municipal de 28 de Fevereiro, para que este órgão discutisse o assunto da escola Maria Lamas. Segundo o BE, “infelizmente a mesa da Assembleia Municipal não aceitou a proposta, desrespeitando a Lei e impedindo assim um debate aberto sobre uma temática deveras importante”. O BE lamenta este episódio que “mancha” o trabalho da Assembleia e “diminui” a Democracia.
“Existiu ali qualquer propósito para evitar que o assunto fosse debatido num órgão de assembleia das várias sensibilidades da cidade. E isto tem a ver com uma questão cívica ligada à cidade”, afirmou Lia Ribeiro, sublinhando que “a questão, é demais grave para passar impune e ignorada”.
António Gomes também lamentou a recusa: “A mesa disse que era um assunto que não era da competência da Assembleia, mas defendemos que esse órgão também deveria tomar uma posição”.

CDU também reivindica justiça

A CDU reafirma que é fundamental apurar e responsabilizar quem fez a construção e recepção da obra, que custou ao erário público cerca de 1 milhão de euros, “para que a culpa não morra solteira, como vai sendo hábito”. Já em relação a questões de índole técnica, a CDU não faz qualquer comentário.
Actualizado em ( Quarta, 09 Março 2011 16:42 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária