o riachense

Tera,
05 de Julho de 2022
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Câmara deve 250 mil euros às juntas e colectividades

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
UCATN sugere criação de contas-correntes

Existem colectividades e associações torrejanas que, por virtude da assinatura de protocolos, apoios institucionais ou apoios a actividades ocasionais, têm verbas a receber da Câmara Municipal de Torres Novas. Em Novembro último, a dívida rondava os 250 mil euros.
É reconhecido o facto de as verbas correspondentes aos apoios contratados ou atribuídos não chegarem a muitas das instituições colocando em causa a sua actual e futura actividade. O lamento de Joaquim Santana, líder do Rancho Folclórico “Os Camponeses” na última edição deste jornal é um desses exemplos.
É público e reconhecido, ao nível local, regional e nacional, o mérito da actividade desenvolvida nos campos social, desportivo, cultural e recreativo das colectividades e associações torrejanas, mesmo com as grandes dificuldades resultantes do actual momento socioeconómico e das obrigações municipais não cumpridas.
Mas, por vezes, para a concretização das suas iniciativas, algumas colectividades e associações recorrem à utilização de instalações, meios de transporte e outros serviços do município, pela qual são taxados, com base em tabelas recentemente actualizadas.
No entanto, diz a UCATN - União das Colectividades e Associações de Torres Novas, “não sabemos se todas as entidades associativas torrejanas ou outras são obrigadas a pagar essas taxas. Há casos concretos de colectividades que têm sido objecto de coima e juros de mora por não pagarem em tempo a utilização dos serviços”.
Atendendo a que algumas das colectividades que utilizam serviços municipais são credoras do município, a UCATN, em carta enviada à Câmara Municipal de Torres Novas, propõe que sejam criadas contas-correntes com o objectivo de ajudar à regularização das dívidas da autarquia para com as colectividades, de incentivar a utilização dos serviços municipais e de não comprometer a actividade associativa.
 
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária