o riachense

Sbado,
13 de Julho de 2024
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

"O nosso maior desafio não é continuar, é continuar com força"

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Entrevista a Telma Pereira, a propósito do festival de folclore de Riachos e do futuro d'"Os Camponeses".

Telma Pereira diz que ainda não há sucessor à direcção do rancho, mas depois disso acontecer, o chefe Santana vai continuar a acompanhar de perto a actividade do grupo

Telma Pereira dança há 25 anos no Rancho Folclórico “Os Camponeses” de Riachos. É quem, nos últimos anos, tem tratado da ‘papelada’ do grupo e é também uma das mais acérrimas defensoras da actividade do grupo. A propósito do 33.º Festival de Folclore, que decorreu no dia 7 de Junho no adro da igreja, tivemos uma conversa com ela. Sobre o festival e sobre os desafios que o Rancho tem pela frente.

Como correu o festival? 
Correu muito bem, até porque havia uma série de eventos na zona no mesmo dia, como a Feira Medieval em Torres Novas, por exemplo. Mas tínhamos o adro cheio, até à escadaria. Nós dançamos três vezes em Riachos nesta semana e foram três ‘casas cheias’. Vieram Ranchos federados, só o Rancho do Cano não é porque fez uma paragem e agora, quando voltou ao activo, ainda não se federou. 

Porque é que o festival esteve interrompido alguns anos?
Por questões logísticas e, principalmente, questões monetárias. O festival acarreta muitas, muitas despesas. Vêm sempre quatro ou cinco grupos a quem temos de dar alimentação, só aí gasta-se imenso dinheiro. O objectivo é continuar, mas vamos ver.

A escolha dos ranchos convidados é feita com base na permuta de actuações?
Sim, não temos forma de pagar cachet a um grupo. Com viagens, mais alimentação, é impensável. Temos pena, mas não conseguimos.

Qual é o balanço que fazes das iniciativas que o Rancho começou a fazer para angariar verbas?
Todas as iniciativas são bem-vindas mas são sempre muito, muito trabalhosas e nem sempre há muita gente para trabalhar. Mas claro que todas as iniciativas são muito positivas, sempre é algum dinheiro que nos ajuda. Mesmo agora com o subsídio da Câmara, não chega para tudo o que necessitamos. Por isso é para continuar [com as iniciativas]. Para calçado, para trajes, para podermos ir fazer actuações a outros sítios... 
Temos vindo a fazer algumas reformas em termos de traje, havia uma série de trajes que estavam em muito mau estado, uma saia mais curta ou um modelo que não seguia à risca como deveria. Temos andado a fazer uma remodelação dos trajes com uma ajuda preciosa do Paulo Serra. Parecem coisas simples e mínimas, mas onde se gasta bastante dinheiro.
 
No 33.º Festival de Folclore dançaram em Riachos os Ranchos de Vale de Açores (Mortágua, na foto), Alviobeira (Tomar), Cano (Sousel) e Arcos de Valdevez
 
Que remodelação é essa?
Ele fez uma série de pesquisas, procurou em tudo o que é antigo, como que uma continuação da pesquisa que nós já tínhamos. Ao longo dos anos os trajes vão-se deteriorando, as pessoas vão arranjando, vão substituindo alguns bordados ou fitas, por exemplo: ‘olha não tenho aqui esta fita, vou pôr outra fita’ e são estas coisas que também precisamos de alterar.

O tema da sucessão da direcção do Rancho já é velho. No entanto, o tempo foi passando e o Joaquim Santana mantém-se no activo. Qual é a tua percepção da situação?
A minha percepção é que é uma coisa que efectivamente é necessária. É o próprio Joaquim Santana que o diz. Que está cansado, que tem problemas de saúde e pessoais. Eu acredito que é mesmo necessário iniciarmos um novo ciclo na vida do Rancho. Nós tivemos este ciclo desde 58 e, obviamente, quem vier a seguir vai iniciar um ciclo completamente diferente. O que não quer dizer que ele [Santana] vá deixar o Rancho, não. Ele vai lá estar a apoiar quem quer que seja. 

Quem é que lhe pode suceder?
Não faço ideia. Se calhar [a situação] vai arrastar-se mais tempo. Agora, nomes não te sei dar, porque realmente não há ninguém em concreto. É uma situação que ele refere muitas vezes e que nós estamos conscientes de que tem de acontecer entretanto.
Seja quem for, não vai ser dentro dos mesmos moldes do Joaquim Santana, porque ele tem outra disponibilidade e fazia praticamente tudo. Claro que uma Direcção serve para trabalhar em conjunto e o director não tem, necessariamente, de ser o ensaiador, por exemplo. Mas realmente é sempre preciso despender muito tempo. 

Nas últimas entrevistas, o Joaquim Santana utilizou muito a expressão “é o grupo que decide”. Há uma gestão mais partilhada das coisas do grupo?
Sempre houve assembleias e os componentes sempre tiveram o direito a voto, isso sempre existiu. Claro que, de há uns anos para cá, tem havido uma preocupação de ‘descarregar os ombros’, de partilhar algumas coisas e algumas decisões.

Faz sentido o Rancho continuar sem ligações directas ao contexto em que nasceu, isto é, pessoas que compreendem o contexto das recolhas?
Faz. Eu gosto muito de acreditar que o Rancho não morrerá se mudar de direcção. Porque acho que seria uma pena que isso acontecesse, ao fim de tantos anos e ao fim de todo o percurso que se conseguiu fazer.
Eu nunca trabalhei no campo, mas quando estou no Rancho estou a recriar uma época antiga. Nós, quando entramos, entramos de cabeça, inserimo-nos naquele contexto e toda a gente sabe que está a representar uma época. E isso não se perde. Por exemplo, das pessoas que lá estão agora contam-se pelos dedos de uma mão as que trabalharam no campo, no entanto todos recriamos aquela época. E tentamos sempre fazê-lo com muito respeito e rigor.

Qual dirias ser o maior desafio do Rancho nos próximos tempos?
Muito sinceramente, o maior desafio é a continuação da actividade. Porque o Rancho está a viver uma crise exterior e interior. A exterior tem a ver com esta crise toda, monetária, estas dificuldades todas que acabam por se reflectir interiormente. E esta questão das sucessões ou não sucessões, e outras questões que nos desgastam e cansam, acabam por fazer com que o maior desafio seja ganhar força e continuar. E com isto não estou a pôr em dúvida que o Rancho vá continuar. É complicado, mas o nosso maior desafio não é continuar, é continuar com força.

Actualizado em ( Segunda, 30 Junho 2014 14:32 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária