o riachense

Sbado,
13 de Julho de 2024
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Poluição preocupa população. Junta vai limpar valas e ribeiras

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
Mais um problema crónico da freguesia que ninguém é capaz de resolver: a poluição. Carlos Garcia foi à Assembleia de Freguesia (AF) dar o mote para a discussão do assunto da poluição das linhas de água. A questão principal, que tem criado expectativas na população e foi levantada pelo interveniente, é as obras da Águas do Ribatejo (AR) que têm decorrido em várias localizações da freguesia, numa reformulação profunda do sistema de saneamento básico e de abastecimento de água.
 
O presidente da Junta anunciou que foi proposto à autarquia um projecto de limpeza de todas as valas e ribeiras de Riachos, por uma empresa da zona de Almeirim. Para o financiamento comunitário de fundos estruturais avançar (as candidaturas abrem em Julho), a empresa precisa de fazer uma parceria com a Junta. A estimativa de custos do projecto é de 65 mil euros, montante do qual a Junta pagará apenas o IVA. Se o projecto avançar, serão intervencionados 39 hectares fora do perímetro urbano da freguesia.
 
As obras da AR incluem a reabilitação total da ETAR de Riachos para, de uma forma inédita, a deixar a funcionar em pleno. Se isso acontecer, os esgotos da vila poderão finalmente ser tratados e deixar de ir parar ao Paul do Boquilobo, via Vala das Cordas. O problema é que as obras da AR não vão resolver o problema da poluição industrial. São as unidades fabris situadas junto às linhas de água ao longo de todo o concelho que provocam um nível de poluição que o aspecto da Vala das Cordas ilustra bem.
 
É preciso uma vigilância e uma pressão constante sobre as indústrias poluentes, criar um lóbi, disse João Luz, eleito à AF pelo Bloco de Esquerda. O mesmo deputado da freguesia disse que o projecto de limpeza das valas e ribeiras é “dinheiro deitado fora porque as fontes de poluição permanecem intocadas. Dentro de pouco tempo [as valas e ribeiras] estarão na mesma”.
 
João Luz referiu que estudou o processo: a Administração da Região Hidrográfica faz os testes à água, a Agência Portuguesa do Ambiente define os parâmetros do que é poluente e o que não é poluente, a Câmara Municipal de Torres Novas faz o licenciamento das actividades industriais e a Divisão do Ambiente da GNR aplica as contra-ordenações. O que faz falta é o tal lóbi que provoque a coordenação e comunicação constante entre estas entidades que são, em última analise, as responsáveis pelo arrastar da situação.
 
Carlos Garcia, no público, concluiu que o que não há é vontade. “A montante de Torres Novas isto não acontecia… aconteceu no passado e foi resolvido. Parece que estamos condenados a isto”, e sugeriu a criação de um movimento activista “Riachos Poluição Zero”.

Actualizado em ( Sexta, 06 Junho 2014 14:30 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária