o riachense

Sbado,
13 de Julho de 2024
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Metalúrgica Coelhos: produzir o que o avô produzia para recuperar

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

A Metalúrgica Coelhos está a passar pela pior fase de uma existência de quase constante crescimento. Uma das mais enraizadas empresas industriais de Riachos, foi também uma das maiores, em capacidade de produção e em postos de trabalho, mas no último ano circulou por diversas vezes a notícia de que estava por um fio. Mário Coelho herdou o negócio da família com uma missão: resistir e recuperar.


Em Dezembro do ano passado a Metalúrgica Coelhos aderiu ao Processo Especial de Revitalização - PER, o que normalmente acontece quando a situação dificilmente pode piorar. O objectivo do PER é a reestruturação do passivo, dar mais poder negocial para lidar com os credores, impedindo execuções judiciais durante um certo período. Para Mário Coelho, o gerente da Metalúrgica, tratou-se de uma verdadeira lufada de ar fresco para se poder dedicar à recuperação e à necessária reinvenção da empresa.
Só no ano passado contabilizaram-se 200 mil euros de incobráveis, entre dezenas de clientes que faliram e não pagaram as encomendas. Basta pensarmos no número de construtoras que todos os dias interrompem a actividade.
“Foram anos e anos de lucros que voaram”, lançados em obras cujo retorno não se viu. “Este ano vai ser uma selvajaria total”, diz Mário Coelho, cujo objectivo é sobreviver ao momento para poder voltar a crescer. A celeridade com que hoje se faz uma insolvência foi um dos factores que praticamente obrigou a metalúrgica a entrar no PER: “foi uma questão de sobrevivência, aderimos porque os nossos clientes também aderiram”. Houve uma tentativa de insolvência à metalúrgica, exemplifica, em que foi feita uma penhora a um camião por causa de 1500 euros de dívida.
A empresa já teve 50 funcionários, eram 30 há meia dúzia de anos e no ano passado sobravam 12. Em Dezembro dez suspenderam o contrato, já com salários em atraso. Agora a empresa está com os serviços mínimos. Com pouco trabalho para fazer, é preciso uma estrutura mínima para continuar. O alívio dos encargos com o pessoal veio permitir bastante a agilização dos esforços de remodelação e de prospecção de novos clientes.
“O maior custo e a mais-valia desta empresa sempre foi o pessoal”. O pessoal está fora mas há acordo para o regresso. Mal apareça o trabalho, os trabalhadores regressam, pelo que a capacidade produtiva está assegurada. A confiança entre os Coelhos e os trabalhadores (ou a maioria deles) não se perdeu e Mário diz que a prova é que foram os eles que avalizaram o PER, cuja adesão exigia a subscrição por parte de um credor. A regra que dita que os primeiros 50 mil euros recuperados cabem ao credor que avalizou a adesão também ajudou.
Agora é altura de repensar tudo. Mário Coelho tem uma reestruturação em mente e vai fazendo planos para alterar todo o layout da velha fábrica, renovar o espaço, de forma a aumentar a capacidade de produção, bem como a atracção de novos clientes.
Quanto a saídas concretas, a inevitável solução, que abre mais perspectivas, é virar-se para o estrangeiro. Mário já calcorreou a Suíça à procura de novos clientes, já foi a Marrocos apresentar a empresa e não se quer ficar por aqui.
Outra das saídas é a incursão na área da agricultura, ou seja, apostar na produção de alfaias agrícolas e no fornecimento de estruturas para as empresas do sector agrícola, a que o governo tanto apregoa o regresso e que acalenta algumas esperanças a Coelho. Já tem havido encomendas para este fim.
Para já, Coelho sabe que “agora é como no tempo do meu avô, quando era ele e mais meia dúzia. E havemos de conseguir”.

 

 

André Lopes

Actualizado em ( Quinta, 21 Fevereiro 2013 19:47 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária