o riachense

Tera,
05 de Julho de 2022
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Cerimónia oficial assinalou os 20 anos de existência da Escola António Chora Barroso

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
Na passada sexta-feira à noite, no Salão Comunitário do Solar de Santa Maria, em Riachos, decorreu a cerimónia oficial de comemoração do vigésimo aniversário da Escola E.B. 2,3 Dr. António Chora Barroso, de Riachos, que é a sede do Agrupamento Vertical de Escolas General Humberto Delgado. Ocasião solene para recordar tudo o que foram os primeiros vinte anos de vida deste estabelecimento de ensino e homenagear aqueles que o ergueram e que lhe deram e dão vida.
A mensagem é, simultaneamente, simples e profunda: nestes vinte anos, a E.B 2,3. de Riachos (inicialmente era a “C+S”) trilhou um percurso de visão e resiliência, de esforço e coragem, de trabalho e competência, de resultados e excelência. Por isso ela é, hoje por hoje, uma escola de criação de valor educacional, em geral, e uma instituição de referência nacional, no que toca ao ensino especial!
Ora, nenhuma escola com esta realidade histórica e presente, que constrói um futuro airoso para todos quantos por ela passaram ou passam e nenhuma terra como esta, que se alegra de ter no seu seio uma estrutura segura como esta, que ainda por cima ostenta, com orgulho são, o nome de um dos mais fecundos vultos culturais da história da vila, podem deixar de vincar um aniversário destes. Foi isso que fez a Direcção do Agrupamento, ao promover esta sessão solene, naquele que é, neste tempo, o melhor e mais nobre espaço de Riachos para este tipo de eventos.
Presentes na cerimónia estavam os filhos do patrono da escola, Pedro Barroso e Maria Helena Barroso, também eles antigos professores, como o pai, e que fizeram questão de agradecer esta homenagem e exaltar o nome, a memória e os contributos do professor António Chora Barroso para a perpetuação dos valores culturais e patrimoniais da vila. Aliás, o consagrado cantor fez questão de ali ler um encantador poema de seu pai, escrito no início da década de sessenta, que a todos tocou pelo seu apelo à identidade da sua terra, pela sua beleza iconográfica e pelo seu sentimentalismo bucólico. E apelou para que a escola que agora celebra este bonito aniversário pugne para que os seus alunos saibam quem foi o homem que dá o nome à escola e o que ele foi enquanto riachense que amou a sua terra natal.
Abriu os discursos, naturalmente, o Director do Agrupamento, professor António Mina, não disfarçando, no seu improviso, a emoção que lhe ia na alma quando agradecia a todos os que ergueram a escola e que com o seu trabalho a engrandeceram e a ajudam a existir, alguns dos quais fez questão de nominalmente destacar. Discursaram também a actual Presidente do Conselho Geral do Agrupamento, Professora Maria João Martins (no fundo, esta professora, sempre muito activa, é como se fosse, salvaguardadas as proporções e respeito, a “presidente da assembleia da república” ao nível da escola!...), aantiga professora e agora Vereadora da Cultura, Manuela Pinheiro, que, obviamente, ali representava o Município; João Cardoso, Presidente da Junta de Freguesia riachense, que recordou ou “heróicos” tempos em que a Comissão de Melhoramentos de Riachos batalhou – e logrou levar de vencida essa luta! - para que a escola fosse erigida em Riachos e não no norte do Concelho, onde inicialmente estava destinada; José Manuel Martins, enquanto representante dos Pais e Encarregados de Educação, que ali fez questão de lembrar e agradecer a todos aqueles que deram a cara pela antiga Associação de Pais da escola e, nessa qualidade, tanto a ajudaram a cimentar a existência desta e o cumprir do seu objectivo (anunciou também que a breve prazo o Agrupamento vai ter a sua Associação de Pais, um projecto lançado há mais de dois anos e que agora se prepara para ver a luz do dia). E, finalmente, discursaram alguns dos homenageados da noite: os que fizeram parte da Comissão Instaladora da escola (1991-1993), Amélia Paixão, Brígida Luz e Celeste Oliveira; dos Conselhos Executivos (1993-2009), António Contente, Margarida Alpalhão, Isabel Mafalda, Isabel Serrano, Conceição Tomé, Judite Simões, e Carlos Silva; os professores e funcionários que se reformaram quando estavam ao serviço da escola: Carlota Serrão, Fernando Fonseca, Leocádia Pacheco e José Mário Santos; Emília Antunes, Guilhermina Faria, Lurdes Canaverde, Teresa Januário, Idália Santinhos, Maria José Vieira, José Mendes, José Paula e Manuel Madaleno; e, finalmente, os docentes e funcionários que se encontram a trabalhar nesta escola desde o seu primeiro dia e que, por isso mesmo, são já uma referência da sua existência, Dina Ferreira e Isabel Raposo (e ainda dizem que “santos” da casa não fazem “milagres”… ai não que não fazem!); Lurdes Pinto, Isabel Silva e Irene Coelho.
Numa sessão superiormente conduzida pelos alunos do 9.º ano Joana Direito e Afonso Martins (excelente esta decisão do Director, ao entregar aos alunos da escola a responsabilidade de assegurar a locução da cerimónia! Afinal, a escola é dos alunos e para os alunos!...), coadjuvados pela graciosidade e competência das intérpretes de língua gestual Cláudia Valadares e Sara Ascensão (esta última estagiária da E. S. de Educação de Setúbal), a música esteve presente a abrir e a fechar o evento. Brilhantemente! Primeiro, através da escola de música do Choral Phydellius e do Quarteto Phydellius Maria Lamas (onde pontificam também alguns dos alunos da escola homenageada) e, no final, pelo fado, com a voz excelsa de Teresa Tapadas, acompanhada pelo duo Alexandre Silva e Bruno Mira e pela muito enternecedora tradução do fado em língua gestual por parte de Cláudia Valadares, enquanto a fadista cantava! Como esta disse, “nunca tal me tinha acontecido, só mesmo Riachos para nos oferecer uma experiência destas”!
Aplausos, muitos e bem merecidos, para uma instituição nobre e batalhadora, que desbrava os caminhos do futuro dos riachenses e das outras gentes do Concelho à sua volta. Bravo!
Actualizado em ( Sábado, 24 Março 2012 12:51 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária