o riachense

Quarta,
02 de Dezembro de 2020
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Sandra Mesquita apanha 8 meses de castigo

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Futsal feminino – AFS com mão pesada

O conselho de disciplina da Associação de Futebol de Santarém teve mão pesada para com as futsalistas do Atlético Riachense. Sandra Mesquita foi castigada com oito meses de suspensão e um jogo de castigo, Vera Raimundo apanhou dois jogos de castigo e Inês Lopes vai ficar três partidas na bancada. Já a directora Isolina Silva tem que pagar 100 euros de multa e cumprir 30 dias de suspensão, enquanto o clube foi multado em 25 euros de multa e alvo de processo disciplinar.


A avaliar por estes castigos, parece que o jogo de futsal feminino entre o Atlético Riachense e o Cartaxo, disputado no dia 12 de Março, no pavilhão de Riachos, a contar para a fase de apuramento de campeão, foi uma batalha campal ou coisa parecida. Mas não. Ao que parece, as jogadoras riachenses excederam-se nos protestos e foram penalizadas.
Para chegar ao título, o Atlético precisava de vencer. A partida estava a decorrer normalmente, sem casos, com o Atlético a ganhar por 2-1. Já perto do final da segunda parte, quando o Cartaxo se preparava para marcar um canto por indicação do árbitro principal Nuno Ferreira, o 2.º árbitro Jorge Moreira, que se encontrava no lado oposto do campo, assinalou penalti contra o Riachense. Ninguém se apercebeu de qualquer falta e a atleta Vera Raimundo foi expulsa sem razão aparente. A delegada ao jogo Isolina Silva acabou também por ser expulsa devido a protestos, mas segundo a própria, sem utilização de qualquer tipo de injúria ou palavrão.
O Cartaxo marcou a grande penalidade empatando a partida. No entanto, segundo o Atlético, não foram respeitadas as leis de jogo, porque as jogadoras forasteiras terão invadido a área de guarda-redes antes que a bola tivesse sido pontapeada.
No seguimento da reposição da bola em jogo, o árbitro assinalou uma falta contra o Cartaxo já no seu meio campo. Contudo e numa atitude que as jogadoras riachenses consideram provocatória, Jorge Moreira indicou que a falta ocorreu alguns metros atrás. A seguir, o 2.º árbitro dirigiu-se ao banco de suplentes do Atlético Riachense e expulsou as jogadoras Inês Lopes e Sandra Mesquita (esta por amostragem de 2.º cartão amarelo).
Gerou-se um enorme sururu, algumas jogadoras mostraram intenção de abandonar o campo, e o árbitro terminou o desafio argumentando, segundo a directora Isolina Silva, que o Atlético terá abandonado o terreno de jogo, quando isso não terá acontecido. Isto quando faltavam ainda alguns minutos para o final.
O jogo acabou mesmo e na quinta-feira passada foram conhecidos os castigos. A dirigente explicou a “o riachense” que Sandra Mesquita se terá excedido um pouco nas palavras por se sentir penalizada devido ao suposto descontrolo do árbitro, mas considera que o castigo de oito meses é totalmente descabido.
Acresce que segundo o Regulamento Disciplinar da AFS, a instauração de processo disciplinar ao Atlético Riachense, deve-se à infracção ao Artigo 55.2: “Se o abandono ou mau comportamento colectivo ocorrer num dos três últimos jogos de uma prova a disputar por pontos, o clube é punido nos termos do número 2 do Artigo 49º”. E o Art. 49 n.º 2 diz “Se a falta de comparência ocorrer em um dos três últimos jogos de uma prova a disputar por pontos, o clube é punido com desclassificação na respectiva prova, baixa de divisão e multa de 300 euros ”. Ou seja, se ficar provado que o Atlético abandonou o jogo, corre o risco de ser desclassificado.
A secção de futsal feminino ficou perplexa com os castigos, mas não vai apresentar qualquer protesto na AFS. “Não vale a pena, só se for para gastar dinheiro. Só para iniciar o processo, o clube teria de pagar 204 euros”, explicou-nos um dos seccionistas, que deixa ainda algumas críticas no ar: “Fizeram tudo bem feitinho. Querem-nos quebrar, mas se calhar não vão conseguir”.
Para mostrar a sua indignação, as jogadoras escreveram uma carta à AFS onde dão a sua versão do sucedido, salientando que alguns árbitros teimam em prejudicar o Atlético.

A carta aberta do plantel de futsal feminino dirigida aos presidentes da direcção, do conselho de justiça, do conselho de disciplina e membros do conselho de arbitragem da Associação de Futebol de Santarém pode ser lida na edição de papel.

Versões distintas no site futsaltejo.com

No site de referência do futsal regional, futsaltejo.com, os problemas do jogo foram referidas da seguinte forma:
Informações fornecidas pela nossa colaboradora do CA Riachense: Jogo encontrava-se empatado 2-2 quando a equipa de arbitragem expulsou três jogadoras da equipa visitada, dando de seguida por terminado o encontro por número insuficiente de jogadoras em campo, por parte do CA Riachense.
Informações fornecidas pela nossa colaboradora do SL Cartaxo: Jogo encontrava-se empatado 2-2, tendo a equipa visitada abandonado deliberadamente o terreno de jogo, com o árbitro a dar por finalizada a partida em consequência destes acontecimentos, constando inclusivamente no relatório de jogo estes factos.

 

 

Actualizado em ( Quarta, 23 Março 2011 15:47 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária