o riachense

Quinta,
17 de Agosto de 2017
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Entroncamento aprova orçamento de 18 milhões

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
A Câmara Municipal do Entroncamento aprovou o orçamento para 2017, no valor de 18.291.355 €, e as grandes opções do plano, com 5 votos a favor, do PS e CDU, a abstenção do BE e o voto contra do PSD. 
O documento contempla um conjunto de investimentos que fazem parte do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) e define para 2017 os seguintes investimentos:   Remodelação e modernização do Cineteatro S. João, construção da ciclovia na freguesia de S. João Batista, recuperação do pavilhão da Escola EB 2/3 Dr. Ruy d’Andrade, requalificação dos espaços verdes, melhoria do desempenho energético do município, requalificação do bairro municipal da Rua General Humberto Delgado, reabilitação do mercado diário, requalificação da Estrada da Barroca e apoio à qualificação das crianças e jovens do concelho através do programa “Estudar na Cidade”. 
Refira-se que o município do Entroncamento reduziu neste mandato o prazo médio de pagamentos, de 122 dias em 2013 para 71 dias em 2016, e a dívida global diminuiu de 15,7 milhões em 2013 para 10,8 milhões em 2016. 

PSD acusa PS de “congelar o município”

Esta melhoria dos desempenhos financeiros da Câmara do Entroncamento, no entanto, foram questionados pela concelhia do PSD, que em comunicado tornado público no princípio deste mês acusou o executivo do PS, liderado por Jorge Faria, de ter obtido estes resultados à custa do desinvestimento no concelho e, “no fim de tudo, orgulha-se da diminuição do prazo médio de pagamento, uma inevitabilidade para quem mantém receitas provenientes do orçamento de Estado, impostos e taxas e não faz despesa. De uma forma ainda mais clara: o Partido Socialista congelou o Município durante três anos”.
Os social-democratas acusam ainda o PS de ter deixado cair de vez a construção da esquadra da Polícia de Segurança Pública, atribuindo-lhe um euro no orçamento para 2017 e nada para os anos seguintes, e de ter feiro o mesmo à Biblioteca e Arquivo Municipal.

 

Opinião

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?

 

João Triguinho Lopes

A grande feira de todas as contradições