o riachense

Domingo,
27 de Maio de 2018
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

O Medidor de Passos: olhos nos olhos para recuperar a dignidade do melodrama

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
Depois das peças do Teatro Meia Via e do Teatro Experimental de Riachos, O Medidor de Passos vai encerrar a mostra de teatro feito no concelho, dia 26 de Março, no Teatro Virgínia

Um ano depois da experiência de O Físico, o grupo que criou esse espectáculo que obteve tanto acolhimento do público na sua única apresentação no Teatro Virgínia, prepara-se para apresentar uma nova peça. Ao contrário da comédia de desconstrução que fez arrancar, de forma ambiciosa, um novo grupo de teatro ancorado nos talentos de João Luz, Hugo Gama e Marta Tomé (que chamamos de encenadores), O Medidor de Passos é um melodrama que se debruça no amor.
 
O processo de construção do espectáculo, partilhado por actores e encenadores, a “co-criação” (sobre isto leia-se a reportagem feita sobre O Físico há um ano), é a característica mais marcante deste trabalho. E, tal como há um ano, falar desta peça e do seu tema passa grandemente por reflectir sobre como esse método influiu no resultado final.
 
A peça está estruturada em onze blocos, em que cada bloco é um texto, um monólogo, um poema, um capítulo, isto segundo as diferentes palavras utilizadas para a descrever por várias pessoas envolvidas, actores e encenadores. Uma sucessão de poemas, ou de “prosas poéticas”, uns exploram ideias mais abstractas e outros ideias mais concretas revela João Luz, que os escreveu nesta que é a sua segunda experiência em teatro. Apesar de não existir uma estrutura narrativa clássica óbvia nesta peça, porque cada monólogo é uma história autónoma, há pontes entre eles, evidentes, pelo menos, no estilo de escrita. É uma linguagem muito simples, testemunham agora os actores, muito terra-a-terra, que permite a um espectador desligar-se de uma história mas apanhar a seguinte. “O facto de ter diversas histórias é uma das riquezas da peça, o espectador pode encontrar vivências suas em várias histórias, e aspectos que o fazem reflectir”, diz um actor.
 
Mas estamos a falar de quê exactamente? Do tema do amor e do propósito de “recuperar a dignidade do melodrama”, que caiu em desgraça e que, quando hoje ouvimos falar nele a propósito de um filme ou peça, dizemos que é lamechas. Recuperar o género foi um objectivo assumido, porque “não seguimos modas”. Há nos textos muitas referências ao campo, alusões bucólicas que, por serem românticas por natureza, são óptimas para os textos de O Medidor de Passos.
 
Mas, porque os produtores são pessoas avisadas, há o receio de se tornar piroso. Esse é sempre um risco incontornável nas peças que falam de amor pois, como diz a Cátia Freitas, uma das actrizes, “o amor não é explicado, é sentido. Não há ciência que o explique, o teatro pode corporizá-lo, mas não explicá-lo”. Já a Marta Silva começou a corar enquanto confessava que cora nos ensaios enquanto diz o seu texto. “São coisas muito íntimas que não se dizem às pessoas” diz, e muito menos em público, olhos nos olhos. É difícil fazê-lo com íntimos, quanto mais com estranhos.
Mas para se ser actor, passa-se por isso mesmo. Os onze monólogos são ditos pelos onze actores, que assumiram este exigente desafio que os faz dar mais um passo em frente no teatro amador. Ainda sobre o ruborizar da Marta, o Hugo Gama serve para tratar destas comoções, “há que segurar este tipo de emoções”, diz ele, e confirma-o a Cláudia Lopes, de 18 anos, quando ensaia o seu monólogo de forma impressionante.
 
Nesta experiência, o processo misturou-se com o conteúdo e, apesar de os textos originais de João Luz não terem sido modificados, a tal co-criação baseou-se na acomodação dos actores aos textos e na procura da forma de os conseguirem dizer. O título da peça fala disso mesmo, de medir os passos “no nosso percurso de vida somos todos mais ou menos calculistas, estamos sempre a tentar situar-nos em relação aos outros. (…) Estamos sempre a tentar saber onde é que vamos pôr o pé, tendo em vista o lugar em que nos sentimos bem”, esclarece o autor.
 
O movimento e a “consciência corporal” são pois a terça parte deste trabalho, da responsabilidade da Marta Tomé, que, com os actores, primeiro trabalha “a esfera individual e depois o diálogo, a tal negociação que levará ou à ruptura ou consignação”. Existe uma componente vídeo e uma banda sonora “muito melodrama de Hollywood” (João Luz confessou ter escrito os textos a ouvir bandas sonoras de filmes). Cada história tem um vídeo de um solo, tendo a Marta ajudado os actores a conseguirem “ler mentalmente” o texto enquanto fazem a sua performance e a fazerem uma “tradução corporal das frases”.
 
Aqui os actores são também dramaturgos, relembra o Gama. No teatro “as pessoas têm tendência de serem mandadas. Aqui os encenadores assumem uma postura mais de condutores, de orientação”.
 
“Foi muito generoso da parte deles acertar a maneira de interpretar cada um”, refere a Carla Pinto sobre o trabalho dos encenadores. A Cátia chegou a trocar de texto porque “o lugar dela” não era aquele. Quando leu o novo texto disse logo: “este texto é meu”, e encontrou o seu “ser da personagem”. Trata-se de uma “busca da verdade”, do melhor lugar que nos define, num permanente intercâmbio e negociação. “A partir do momento em que nos damos a conhecer, é pelo confronto com o outro que os lugares se moldam”, como na vida real, particularmente no amor.

Olhos nos olhos nas escolas
A semanas da estreia, o grupo de actores e encenadores deu início ao contacto com o público através de workshops nas escolas. A primeira oficina foi na Escola Profissional de Torres Novas, no âmbito do curso de animação, e agendaram-se mais duas sessões na Artur Gonçalves e na Maria Lamas.
O balanço? “Os miúdos estão ávidos por uma palavra que não seja hipocrisia e as pessoas são as verdadeiras palavras”, diz o Gama entusiasmado pela experiência que deu bons frutos na cativação dos interesses para o teatro. “Ir lá olhá-los nos olhos e dizer coisas, com uma linguagem que toca”, continua.
 
Revelou a Cátia Freitas que o maior elogio que a peça recebeu foi dado quando os miúdos que participaram na oficina se mostraram tocados pela experiência e nem quiseram quiseram ir ao intervalo.
 
  
     

Actualizado em ( Quarta, 16 Maio 2018 09:37 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária