o riachense

Quarta,
02 de Dezembro de 2020
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Tejus: produtos regionais e eventos empresariais

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
O Espaço Tejus, além de agenciamento de actividades turísticas, oferece uma variedade de produtos regionais
 
André Gabriel trabalha na área do turismo há vários anos e, aos 30 anos, resolveu dedicar-se a explorar o potencial da sua terra. O espaço Tejus, junto ao largo da Câmara Municipal, abriu em Novembro passado e define-se como um misto de loja de produtos regionais e escritório de eventos empresariais.
 
São três as principais áreas de actividade a que se dedica: team-bulding, eventos e produtos regionais. Consolidar a primeira é o objectivo mais imediato; envolve a organização de eventos para empresas, seja na área do desporto, do turismo ou especificamente com fins empresariais, como por exemplo a activação de marcas. Queremos “proporcionar momentos criativos e soluções diferentes, nas áreas dos eventos empresariais, familiares ou de lazer”, diz André Gabriel.
 
A oferta dos produtos regionais foi destinada, em parte, para colmatar uma falha existente na Golegã, um município que tem afirmado a sua vocação para o turismo cultural. A loja reúne uma interessante oferta de produtos regionais: dos chás do Pombalinho aos azeites e vinagres da Golegã passando pelo abafado de Alpiarça, o sal de Rio Maior, diversas marcas de vinhos da região ou as tábuas de culinária do Jamie Oliver, produzidas em Pernes, assim como artesanato de cortiça, bordados, entre muitas outras coisas.
 
Quanto aos eventos, há sempre actividades agendadas com inscrições abertas: sessões de paintball, cursos de fotografia, passeios pedestres (para esta primavera estão planeados na Golegã, Sintra, Tomar, Olhão e Rio Maior), roteiros temáticos, como os do José Saramago ou do Violant (o primeiro deste vai realizar-se para uma empresa de telecomunicações) e provas de produtos regionais, abertos ao público. Em breve vai haver uma oficina de cestaria, com uma artesã de Santarém, aberto ao público “interessado na cultura ribatejana” e, quem sabe, para “levar alguém jovem a interessar-se pela actividade da cestaria”.
 
Para já o objectivo é consolidar o negócio, indo a maior atenção para o trabalho junto das empresas.

Actualizado em ( Terça, 27 Janeiro 2015 22:44 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária