o riachense

Quarta,
02 de Dezembro de 2020
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Riachos entra no mapa dos vinhos de qualidade pela marca Zé da Leonor

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

“Aroma discreto, floral, mineral e suavemente cítrico. Gordo e encorpado, com acidez integrada, boa secura, final intenso, cítrico, salino, com personalidade”. Foi assim que a Revista Vinhos descreveu o vinho branco Zé da Leonor Reserva 2013, o primeiro saído das jovens vinhas da Quinta Nova, plantadas em 2011, a que deu a nota de 15,5.
Menos de um ano depois do lançamento, as primeiras 3500 garrafas com o rótulo Zé da Leonor esgotaram-se, o que, para o produtor Pedro Rebelo Lopes, é um sinal muito positivo no arranque da produção deste vinho feito em Riachos com a intenção de marcar uma posição em termos comerciais, mas também que as gentes da terra “tenham orgulho nele”.

A vinha e o vinho
A vinha, plantada em 2011, ocupa apenas quatro dos 22 hectares da quinta. Só a encosta virada para sul, sobranceira ao Almonda, apresenta as características ideais para vinha, o resto é quase só terras de aluvião, onde se continua a cultivar milho. O produtor explica que, além de se tirar partido de uma grande exposição solar (a rápida maturação é boa para evitar as chuvas de Setembro, este ano a vindima começou a 15 de Agosto), o terreno de arenito com calhau rolado é “o melhor que se pode pedir” para a qualidade da uva; os calhaus ajudam à constância de temperatura, tanto no verão como no inverno, de dia e de noite.
 
O projecto “diferente” de vitivinicultura “tradicional” que o bisneto de José Lopes Barroso, o Zé da Leonor, idealizou, juntamente com o seu primo enólogo Filipe Sevinate Pinto, parte da premissa da primazia da qualidade sobre a quantidade, querem um projecto de pequena/média dimensão, coerente com a dimensão da Quinta Nova, que ostente, no sabor e na identidade, claramente as marcas do Tejo, Riachos e qualidade.
Situada mesmo à porta da adega, a vinha é chamada de “tradicional” por várias razões: a disposição em altura que impede, além de dores de costas, contaminações e permite uma maior produtividade, os postes de madeira, o que hoje em dia rareia, e a vindima feita à mão. E depois há as práticas e o manuseamento: não se faz mobilização do solo, faz-se antes um enrelvamento para a menor erosão da terra e maior enraizamento, assim como menor consumo de água. Há cuidado com a biodiversidade existente, garante Pedro Rebelo Lopes, utilizando-se produtos fito-farmacêuticos apenas “mediante uma necessidade efectiva”. Isto implicará o acompanhamento constante e dá algumas dores de cabeça, mas a ideia é ter uma vinha “o mais sustentável possível, o mais ambientalmente interessante com a maior qualidade possível”, o que não é óbvio em todas as vinhas.
 
Os produtores planearam meticulosamente todos os detalhes da exploração, tendo em vista o produto idealizado. Os vinhos brancos querem-se cada vez “mais frescos mas estruturados”, diz o jovem empreendedor. Com dois anos e meio, a vinha da Quinta Nova, só de uvas brancas, deu 3500 garrafas. A produção de 2014 já vai dar umas 10 mil garrafas e ainda tem uns cinco anos de crescimento antes de estabilizar.
O vinho branco reúne a acidez do arinto, a estrutura do gouveio (ou verdelho) e o aroma do viognier. As três castas foram escolhidas a dedo e a última, francesa, é o toque de mestre; apesar das podridões frequentes e da quase extinção dos anos 60, esta casta tem poucos produtores e é cada vez mais procurada, porque dá “um nariz extraordinário ao vinho”.
 
Para os tintos e para o rosé (no princípio do ano saem o rosé de 2014 e o tinto de 2013) a fórmula inclui touriga nacional, alicante bouschet, cabernet sauvignon e syrah e a uva é comprada a um produtor da Zibreira. Dada a exiguidade dos terrenos, procurou-se um produtor que tivesse um solo parecido o da Quinta Nova e que não ficasse muito longe.
 
O primeiro lote de tinto da casa vai lançar seis mil garrafas, um vinho “encorpado mas não muito agressivo na boca”. Os parâmetros antecipados pela parceria entre primos revelaram-se à altura nos resultados.

Pai e filho, Carlos Rebelo Lopes e Pedro Rebelo Lopes há muito que sonhavam com um projecto para a Quinta Nova

A adega 
É uma adega mista entre o tradicional e o moderno e tudo é feito com apenas duas pessoas, o próprio Pedro Rebelo Lopes e um empregado da Quinta, João Alcobaça, que trabalham “lentamente, com tudo orientado para a qualidade”. O ex-libris da adega é uma velha prensa hidráulica vertical de uma marca muito comum nas velhas adegas industriais, mas que já não existe, é a metalúrgica FAS, de Torres Vedras. Com a sua bomba de dois cavalos, prensa as massas com a ajuda do peso da água e permite tirar mais cor (no caso do tinto) e aroma das uvas. Demora mais do dobro do tempo que as modernas prensas pneumáticas, dá muito mais trabalho e é praticamente uma peça de museu, adquirida numa adega que fechou, mas Pedro Rebelo Lopes não prescinde dela. 
Outros pontos-chave do desígnio da qualidade do vinho são a fermentação a frio, o lagar para pisar a pé parte das massas (torna o vinho mais encorpado) e a transição para a cave por gravidade (“quanto menos batidos melhor”). Aqui, parte do vinho fica a estagiar em barricas de carvalho francês, que “arredonda o vinho”, outra parte em garrafas.

A marca
Não é barato “mas é um preço justo, até baixo para o vinho que é” assevera o produtor quanto aos 4,49 euros de PVP estabelecido para a primeira colheita. Num mercado nacional em que mais de 90% dos vinhos têm preços inferiores a 5 euros, a ideia é colocar o Zé da Leonor ainda neste intervalo, de forma a que se torne concorrencial.
 
Não se equaciona a venda nos supermercados porque não existe volume suficiente e porque “desvirtuaria um bocado o projecto... se quisermos encontrar um vinho diferente, vai-se a uma garrafeira”. É um vinho de nicho, que através de distribuição própria vai ser vendido no distrito de Santarém e em Lisboa e Porto, e daqui a uns anos procurará a exportação.
 
Para já, meia dúzia de restaurantes mais meia dúzia de garrafeiras e lojas de produtos gourmet em Torres Novas, Golegã, Entroncamento e Lisboa, onde ainda haverá algumas garrafas, foram as primeiras “cobaias” de uma experiência que estava fadada a ser bem sucedida.
 
O facto de a CVR ter atribuído a chancela “Reserva” (uma designação de qualidade, mais do que de idade) a um vinho de uma adega nova e de uma colheita de primeiro ano também não é comum. Mas o vinho da Quinta Nova é para ser bebido, não é para guardar, aconselha Pedro Rebelo Lopes: “bebam-no, não o guardem, porque um vinho bom é para se beber e também porque os próximos Zé da Leonor vão ser melhores nos próximos anos”. 
 
A concorrência não é fácil, porque todos os anos aparecem marcas novas de bom vinho. Além disso, ser um vinho novo do Tejo não é o mesmo que ser um vinho novo do Douro ou do Alentejo. Apesar de já haver mais atenção para regiões como Lisboa, Bairrada e Tejo, a verdade é que a popularidade destes vinhos ainda sofre das dores da herança da história. “É difícil concorrer de peito aberto numa garrafeira de Lisboa. Para o cliente é mais uma marca do Tejo que ninguém conhece. O Tejo é uma marca que ainda está a afirmar-se aos poucos”. Por estas razões é límpido: vender 3500 garrafas foi muito bom.
“Normalmente [quando se pensa em Tejo] pensa-se em Almeirim ou Alpiarça e esquece-se que a região vai até Tomar. Há aqui vinhos mais próximos da serra que não têm nada a ver com o vinho de areia, são diferentes”. E em Riachos, Torres Novas, Entroncamento e Golegã, “há um pólo que achamos que faz sentido. Fazem-se vinhos de qualidade em todo o país, porque é que não se há-de fazer em Riachos? E estamos a conseguir”.
“Queríamos que fosse orgulhosamente um vinho de Riachos”. Ser de Riachos tem a intenção de as pessoas se identificarem com ele, mas também porque existe uma mais-valia comercial nisso. No mundo dos vinhos, uma marca como Zé da Leonor atribui um tom regional, castiço, tradicional e atiça a curiosidade do consumidor para saber mais sobre este produto proveniente de uma vila no meio do Ribatejo. Nas provas que foram feitas em Lisboa, as pessoas perguntavam quem é o Zé da Leonor e onde é Riachos. “Bem, a verdade é que muita gente em todo o lado conhece Riachos, mas este é um pretexto para contar uma história verdadeira e criar uma aura de envolvência”. A frase adoptada para o rótulo foi “A marca da nossa história”, que história? “Para mim é a minha história, para si é a história de Riachos, para Lisboa é a história de uma região… isto vai ao encontro do que é o vinho, um produto histórico. A pessoa quer beber um vinho bom, mas também quer saber a sua história”. 
 
A criação da marca foi pois planeada com medida. Mais ou menos no momento em que plantou a vinha, Pedro Rebelo Lopes, 33 anos, geógrafo de formação e agricultor de profissão (em Aljustrel e Riachos), que nunca antes tinha feito vinho, apesar de sempre o ter bebido, fez uma pós-graduação em “Wine Business”, ou seja, a gestão da vitivinicultura e o negócio do vinho.

A eira da Quinta Nova, que faz parte da memória colectiva riachense, vai ser mantida

A quinta
Todo o olival que existia na encosta da vinha foi transplantado para diversos sítios, com o lamento de uma ou outra oliveira não ter sobrevivido à mudança. No lado oposto da quinta permanecem dezenas de velhas oliveiras plantadas pelo bisavô, esse não será arrancado, em parte por questões de afectividade.
 
É nesta zona que está a eira mais famosa de Riachos, como Pedro Rebelo Lopes bem repara com tanta gente que o tem abordado, cheia de curiosidade sobre o que agora lá se faz. Tão famosa, que a velha quinta até ficou, durante muito tempo, mais conhecida por ‘a eira’. Frequentada durante décadas por piqueniques, passeios, banhos no Almonda e outros prazeres – até festas populares lá foram feitas nos anos 80 e encenações das práticas da lavoura que encerravam mais importância social antes da chegada em força da mecanização dos campos, normalmente por ocasião de Festas da Bênção do Gado - elegendo este como um dos sítios mais bonitos da freguesia para se desfrutar de paisagens naturais e da estreita ligação ao rio e aos campos. É para manter intocada, garante o proprietário, pela sua beleza e pela memória. Já as velhas fachadas, tanques e a chaminé da antiga destilaria que, para quem tem menos de 40 ou 50 anos, nunca passaram de sombras vindas de tempos antigos que, em conjunto com a velha muralha de terra em frente ao Galera (agora restaurada com os materiais modernos) ali faziam de guarda à eira, o proprietário revela que ainda não sabe o que lhes vai fazer. Mas a memória colectiva sobre a Quinta Nova vem de mais atrás.
 
A importância social que a Quinta Nova teve noutros tempos reporta, claro, à agricultura. Zé da Leonor, que a fundou pela compra da parte dos terrenos de cultivo da Quinta da Várzea, foi um dos lavradores influentes de Riachos num tempo em que o tecido social se regia pela economia de meia dúzia de grandes lavradores. Na sua quinta trabalharam famílias e gerações inteiras.
 
Não foi há muito tempo que ali se produziu uma das últimas culturas mais específicas da região: o cânhamo. Foi um dos sítios do país onde se produziu mais cânhamo nas décadas de 1940 a 60, no programa nacional de produção desta fibra que era encomendada pela Fiação e Tecidos, também ela agora já só uma memória a apagar-se na gente. A proximidade ao rio, onde se fazia a maceração das canas, assim o permitiu.
Depois do cânhamo, o vinho pode marcar a vida desta quinta. Pedro Rebelo Lopes não enjeita uma eventual abertura para fins pedagógicos e educativos no futuro, talvez com um regime de visitas para mostrar como se faz o vinho. Para já, o projecto ainda mal começou e só daqui a cinco ou seis anos é que todo o seu potencial será bem espremido.
 
Riachos é a terra da sua família paternal, onde nunca morou mas onde diz sentir as ligações familiares. O pai, Carlos Rebelo Lopes, nasceu aqui, por isso na infância passava cá as férias, a avó era a Laura da padaria do Zé da Laura, na rua Menino de Deus. Lembra-se de muita coisa, mas entre a adolescência e a plantação da vinha, deixou de cá vir. A quinta esteve arrendada muitos anos mas na família sempre se falou em fazer aqui alguma coisa. O vinho foi dominando cada vez mais as conversas e a ideia a fazer sentido, mas parecendo sempre uma coisa longínqua. Até que a propriedade da quinta ficou para o pai e começaram a trabalhar.
 
“Há um espírito muito aguerrido em Riachos, eu falo com algumas pessoas mais velhas e vê-se que têm orgulho nas coisas. Ainda há aqui pessoas muito ligadas à terra”, repara Pedro Rebelo Lopes. Agora quer que as pessoas consumam o seu vinho e “que tenham algum orgulho nele”.

Actualizado em ( Terça, 13 Janeiro 2015 13:14 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária