o riachense

Quarta,
02 de Dezembro de 2020
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Ir à Hamburgueria da Vila comer um Teatro Virgínia

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
A reprodução do conceito da Hamburgueria do Bairro, de Lisboa, foi a inspiração de Carolina Gaspar, a jovem empresária

O recatado quiosque do Jardim das Rosas tem, desde o princípio de Outubro, uma nova ocupação. A Hamburgueria da Vila tem sido um foco de atenção dos amantes de hambúrgueres e das decorações acolhedoras com desenho retro.
 
A reprodução do conceito da Hamburgueria do Bairro (um sucesso recente que já tem seis lojas em Lisboa) foi a inspiração de Carolina Gaspar, a jovem empresária de 22 anos que se iniciou no mundo da restauração.
 
Não é o tradicional imaginário do hambúrguer enfarta-brutos que é oferecido, portanto. Um relance pela ementa elaborada pelo chef Paulo Leite e percebe-se logo que se optou pela qualidade em detrimento da quantidade. Há apenas seis variedades de hambúrguer, três de vaca, um de alheira, um de atum e outro de frango. Carnes de qualidade provenientes de fornecedores locais, pão tipo rústico (opcional), batatas fritas descascadas no dia, sobremesas caseiras e criativas, além do espaço ‘modernamente antigo’, são os ingredientes que se juntam à irrestivível tentação de comer com as mãos. Na sua versão mais barata, a 5,5€ o menu almoço.
 
O cardápio é também um piscar de olho aos clientes mais bairristas, com nomes de hambúrgueres como “Teatro Virgínia”, “Castelo”, ou “Praça 5 de Outubro”.
 
Depois de terminada a licenciatura em turismo, a emigração era o destino mais certo de Carolina. Um hotel na Inglaterra era a opção mais óbvia, mas a ambição de gerir o próprio negócio fê-la ficar na sua terra. O objectivo inicial era claramente o centro da cidade, mas a hipótese do Jardim das Rosas surgiu de uma circunstância quase fortuita, a dias de o processo de hasta pública para a concessão do local terminar. O projecto, apesar de feito num ápice, foi o escolhido pela Câmara.
 
Além do já referido chef, a parceria com a amiga Maria Inês Pinheiro na decoração e no marketing é outra das chaves para o sucesso, diz a Carolina. É precoce dizer sucesso? Talvez não; um mês depois da abertura, a cozinheira-empresária diz que “o conceito está a chegar às pessoas”, têm sido comidos muitos hambúrgueres torrejanos ali junto ao rio. No horário normal, mas também às sextas e sábados até à uma da manhã.

Actualizado em ( Terça, 25 Novembro 2014 10:53 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária