o riachense

Quarta,
02 de Dezembro de 2020
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Vinho Maximo’s: biológico, torrejano e o melhor tinto do sul

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

O concurso da FIJEV (Federação Internacional de Jornalistas e Escritores de Vinho), no âmbito da feira alentejana Vinipax, em Beja, destina-se a distinguir anualmente os melhores vinhos tintos, brancos e fortificados das regiões do Tejo, Península de Setúbal, Alentejo e Algarve.

Apesar de, naturalmente, o Alentejo assumir uma maior representatividade nas três categorias, como referiu o enólogo Aníbal Coutinho, director técnico da Vinipax, desta vez Setúbal e Tejo venceram em duas delas, tendo o Alentejo ficado só com uma categoria. O júri, composto por um total de 17 jornalistas, 12 estrangeiros e cinco nacionais, deu ao Maximo’s Touriga Nacional 2009, do produtor Alveirão, do Chícharo, Olaia, a distinção de melhor tinto produzido no sul de Portugal.
O Adega de Palmela Moscatel de Setúbal Superior 2005 venceu o melhor vinho fortificado e o Pato Frio Antão Vaz Grande Escolha 2012, o melhor branco.
A competição era particularmente exigente, não só pelo reconhecimento geral de que usufruem os néctares alentejanos, sempre presentes em maioria, mas também porque são 60 títulos em concurso e os resultados costumam ter uma relevante projecção internacional, por via da rede de jornalistas especializados que constitui o júri.
O Maximo’s 2009 era um dos seis vinhos DOC Tejo neste 6.º Vinipax, que se realizou nos dias 4, 5 e 6 deste mês. Os outros eram: Adega do Cartaxo, Enoport United Wines, Quinta da Badula, Quinta da Lapa e Quinta da Alorna (o Arinto Chardonnay 2012, deste último produtor, venceu o melhor branco por duas ocasiões anteriores e ficou entre os melhores dez brancos este ano).
Alguns factores especiais marcaram esta distinção. O facto de ser um vinho biológico (pouco usual no mercado) e o facto de a região do Tejo ser muito apreciada pelos vinhos brancos, conforme realçou José Pinto Gaspar, o presidente da Comissão Vitivinícola da Região do Tejo à comunicação social.
O tipo de produção biológica ainda tem pouco peso a nível nacional, mas por toda a Europa está em pleno crescimento. A adega Alveirão – Vinhos do Vale Godinho, é uma das poucas que tem como actividade principal o cultivo da vinha com respeito dos princípios da agricultura biológica e é o maior produtor de vinho biológico do País.
A produção do Maximo’s 2009 (apenas 5800 garrafas, o que fecha as portas ao grande mercado), com uma predominância em 80% da casta Touriga Nacional, ficou no ponto ideal este ano. Prova disso foi também a obtenção da medalha de prata na edição de 2013 do conceituado Concours Mondiale de Bruxelles.

 

Actualizado em ( Quarta, 23 Outubro 2013 12:12 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária