o riachense

Sbado,
05 de Dezembro de 2020
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Pedro Monserrate: “Tenho o melhor plantel desde que cheguei ao Atlético”

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
O treinador falou aos jornalistas no fim do jogo com o Nacional da Madeira
 
Prestes a iniciar a quarta época consecutiva no banco do Atlético (terceira como treinador principal), Pedro Monserrate era um homem quase feliz no fim do jogo de apresentação com o Nacional (0-3).
“Após uma semana muito intensa em que [os jogadores] treinaram principalmente a parte física, e que culminou no empate frente aos juniores do U. Leiria, só fizemos um treino para trabalhar a táctica, mais na parte defensiva”, disse o meiaviense aos jornalistas, no rescaldo do encontro de apresentação.
Com apenas meia dúzia de dias de pré-época corridos, tendo vários jogadores treinado apenas uma vez por causa das férias, e em que 13 deles têm menos de 22 anos, o treinador foi peremptório a afirmar que “a qualidade técnica e a vontade de trabalhar que eles apresentam, fazem deste grupo o melhor desde que estou à frente da equipa”. É sem dúvida “um lote de jogadores muito bom, que pode dar garantias neste campeonato”, resume.
Pois pudera! Frente a uma equipa profissional, que ambiciona chegar aos lugares europeus nesta época e que não poupou jogadores em Riachos, o Atlético só sofreu golos depois de começar a rodar a equipa. Em relação a essa fantástica primeira parte, Monserrate confessou: “Estou muito orgulhoso. Eles [Nacional] tiveram algumas oportunidades de golo, mas o essencial foi atingido, não sofremos golos”. E, acrescente-se, tivemos boa posse de bola.
Em relação ao empreendimento de preparar o plantel para jogar com equipas que têm orçamentos cinco vezes mais altos, na época que se avizinha, podemos dizer que o jovem treinador vai a caminho das nuvens, mas ainda não chegou lá: “não veio o ponta-de-lança que eu queria. Eu queria um ponta-de-lança mais fixo e alto, e os que temos são mais móveis. Temos o Freitas, mas lesionou-se no jogo com U. Leira e ainda é jovem”.
O plantel está completo mas não fechado, ou seja, há jogadores à experiência que podem ser trocados por alguma pérola inesperada que venha de fora, mas não é provável. Jackson, ex-Alqueidão da Serra, era o tal ‘pinheiro’ com que Monserrate sonhava, mas esse tipo de jogadores é precisamente o mais procurado. Não houve acordo (financeiro) com Jackson, disse o treinador, nem sequer o Atlético tem agora qualquer outro jogador da zona de Porto de Mós, para repartirem os custos das deslocações. Santana, o avançado que marcou golos e acumulou títulos quando passou por Riachos, era outro desejado. Mas está no Mação e é lá que quer ficar.
A verdade é que a presença no campeonato imediatamente anterior aos profissionais faz com que todos os dias haja empresários a ligar para o treinador a oferecer jogadores. Mas a política do Atlético continua a não ser essa: “vamos tentar aproveitar jogadores aqui da zona, é nisso que estamos a pensar, também porque queremos garantir o futuro do clube”.
O Nacional da Madeira tem lá um desses, um talento vizinho, e até jogou na terça-feira contra o Atlético. Miguel Rodrigues, defesa-central, foi companheiro dos jovens alvi-negros Prates, Rosa e Freitas nos juniores do CADE. Estes, aliás, são três excelentes exemplos do aproveitamento dos recursos endógenos. E mais três se estrearam na terça-feira com a nova camisola do Atlético, deixando água na boca ao povo que viu a sua prestação.
Voltando ao tema dos adversários complicados que o Atlético terá pela frente esta época; este ano a equipa técnica dispõe de um observador. Pedro Bouça, que foi adjunto na época passada, vai agora fazer o trabalho de espionagem dos adversários. Vai começar a fazê-lo já, assistindo a torneios amigáveis em que entram equipa com que o Atlético nunca jogou: “queremos estar minimamente preparados, para não entrarmos às escuras. Estas coisas são cada vez mais importantes”, reforçou Monserrate.
 
Manuel Machado: “Boa sorte e continuem o bom trabalho”
O Nacional da Madeira já tinha jogado duas vezes em Riachos (em 2000 e 2002, em jogos de apresentação), mas para Manuel Machado foi a primeira vez. O treinador falou a o riachense sobre a sua visão de fazer um jogo de treino contra um clube como o Atlético.
“Quando os processos ainda estão a ser implementados, é importante jogarmos contra todo o tipo de equipas; equipas da primeira liga, da segunda liga e do campeonato nacional de seniores. É igualmente importante jogar com todas.
(…) A minha filha estudava em Tomar, eu passava aqui, mas não conhecia a parte desportiva. Na parte logística, parece-me que têm os mínimos, as coisas estão arrumadas. Espero que façam uma boa temporada. Agora que estão numa prova mais exigente, desejo a maior das sortes e que haja competência para que, com trabalho, possam eventualmente chegar mais acima. O Arouca é um bom exemplo para clubes desta dimensão. Também veio dos distritais e agora vai jogar a melhor prova nacional, nada é impossível, nada é impossível. O Arouca é um bom incentivo para que as equipas pequenas percebam que, tomando as decisões mais correctas, tudo é possível no mundo, e no futebol também”.
Perguntámos também a Manuel Machado se gostava de treinar um clube grande. “Mais do que eu querer treinar um clube grande, eu gostaria que um clube grande gostasse que eu o treinasse. Parece igual, mas é muito diferente”, concluiu o treinador que já tornou lendários os seus jogos linguísticos.
 
Manuel Machado só viu a sua equipa marcar ao Riachense aos 70 minutos de jogo

Actualizado em ( Terça, 20 Agosto 2013 18:54 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária