o riachense

Quinta,
18 de Outubro de 2018
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Latoaria

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

O Museu Agrícola de Riachos tem uma variedade notável de peças de latoaria, na sua maioria, construídas para utilizações relacionadas com o trabalho.

As principais matérias-primas transformadas pelos latoeiros são a folha-de-flandres e a chapa zincada, juntamente com o mais antigo latão e o mais recente alumínio. A expansão comercial da folha-de-flandres no mundo industrializado - ou em vias - iniciou-se no século XIX, sendo a patente inglesa de 1810.

Colmatou a necessidade de um produto laminado, com boa ductilidade e que não enferrujasse rapidamente. Objectos utilitários como almotolias, funis, tabuleiros e candeias são feitos em folha-de-flandres (revestida de estanho), enquanto regadores, braseiras, pás e algerozes são em chapa zincada (revestida de zinco), que é mais resistente e menos maleável.

A latoaria num museu evoca a memória de um sector profissional - os latoeiros/funileiros constituem um dos grupos de artesãos mais envelhecidos. A latoaria tem um carácter simbólico na evolução das sociedades industrializadas, ela representa a transição de um universo de produção tradicional para um modernizado e mecanizado - a matéria-prima é de origem industrial e a sua transformação é artesanal.

As grandes mutações nos contextos socioeconómicos de produção levaram a que os objectos de latoaria fossem largamente substituídos pelos de plástico, mais baratos e fáceis de produzir em fábricas.

A latoaria artesanal é hoje mais utilizada para fins decorativos (lanternas, miniaturas, adornos). É o que faz hoje a responsável pelo Museu da Latoaria em Tomar, bem como o último latoeiro de Riachos, ali nos Casais Novos.

Actualizado em ( Sexta, 27 Fevereiro 2015 13:05 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária